quarta-feira, 30 de maio de 2012

Doação de órgãos


Você não precisa morrer para salvar vidas. 
Você pode doar sangue, Medula Óssea ou Rim e continuar vivendo normalmente. Normalmente acredito que não, pois após um gesto de amor assim ninguém poderá ser mais o mesmo. Depois que alguém evoluí a esse ponto, não há regresso.
E, a pessoa receptora de sua doação, jamais conseguirá lhe agradecer.
Vivo essa experiência em meio a minha família, é tudo indescritível e sem explicação.
Pense você também, Seja um doador!


terça-feira, 29 de maio de 2012

Coração calmo


Natural do ser humano querermos tudo para hoje, agora! E, na maioria das vezes nesse ímpeto de ver tudo resolvido, acabamos fazendo as coisas um pouco diferentes de como tínhamos planejado.
Vamos acalmar o coração, aceitar as dificuldades sem lamentos e entregar tudo nas mãos de DEUS.
Lembrando sempre que: nosso tempo, não é o tempo de Deus; o que queremos pode não ser o melhor que Deus reservou para nós e acima de tudo a certeza: A SEMEADURA É OPCIONAL, MAS A COLHEITA OBRIGATÓRIA!
Então, cuide bem das sementinhas que espalhas pelo caminho... o resto é com DEUS!

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Transparência Pública

Recebi um email de um pós graduando com essa lista de link's para consultas.
Achei muito interessante, vale a pena conferir e saber como seu município está aplicando o dinheiro público.
Se não está como "dizem", cobre! Você tem essa OBRIGAÇÃO. Faça valer seu direito.


Boa leitura a todos.




www.tce.rs.gov.br  ( receita, despesa, LRF e processos dos municípios)

www.sefaz.rs.gov.br ( previsão de receita, Indice de Participação dos Municípios ( IPM), Programa de Integração Tributaria ( PIT), Valor Adicionado (VA).

http://www.fnde.gov.br/index.php/sistemas-siope ( relatorios municípais da educação, gastos por aluno, por professores, IDEB etc..)

www.stn.fazenda.gov.br   ( contas públicas, Manual da receita, despesa, dívida ativa, CAUC ( para verificar os municípios com pendencias junto a União.

www.cef.gov.br ( Governo/Municípios/ acompanhamento de obras - verifica todos os repasses do Orçamento Geral da União e o andamento do convênio )

www.datasus.gov.br ( Informações Financeiras - todos os repasses do governo federal para programas como Farmacia Basica, ESF etc..

http://siops.datasus.gov.br/ ( gastos com saude por habitante etc...)

www.saude.rs.gov.br ( repasses do governo estadual para os programas de saude e prestação de serviços)

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Uma dica apenas


 Sempre me pego a pensar: "seu eu escolher tal caminho, como ficarão tais pessoas, como se sentirão, que irão fazer a partir de então?"
Confesso que nunca encontro a resposta na hora que em que eu mais gostaria e confesso também que, quando a resposta vem, é uma tremenda decepção!
Pensando bem, chego a conclusão de que esqueci de pensar no principal: EU
Somente EU sei exatamente o que, e como me sinto diante de cada fato e situação.
 Somente eu sei o que acontece nos 1440 segundos diários que vivo.
Somente eu sei o que carrego no fundo da alma, no pensamento, no coração.
Somente eu sei a extensão da minha dor corporal, quando estou doente fisicamente.
Claro que sempre encontro pessoas queridas que  COMPARTILHAM de todos meus momentos, bons e ruins.
Pessoas que choram quando eu choro e riem quando estou feliz.
Pessoas que não se importam quem sou e sim como estou.
Dá para contar nos dedos, dá sim. Nos dedos de uma mão, mas dá!
Mas precisaria eu de mais pessoas? Penso que não, quantidade não é qualidade.
Concluindo, penso que devo me sentir feliz sempre, mesmo em meio às decepções e derrotas.
Devo ser feliz por MIM e não pelos, ou para os outros.
Devo ser feliz sim, ninguém sabe o que acontece comigo! E não precisam saber, não vão se importar mesmo!
E aqueles poucos, que conto nos dedos de uma mão, sofrerão ao me ver triste, não quero entristecê-los!
Fica a dica para você... Faça isso também, e sua vida fluirá leve como uma brisa.
Abraços


quinta-feira, 17 de maio de 2012

GATOS - PORQUE AMAMOS-OS TANTO?


Recebi este post no Facebook, de uma amiga querida que, como eu, ama gatos. 
Achei tão lindo que resolvi dividir com vocês e juntamente deixo uma foto de minha amada BEBEL, dormindo em lugar "inusitado"!

Eis um dos motivos que me faz amá-los tanto! Como dar bronca por uma travessura dessas?



Por que os gatos são tão irresistíveis?

Por serem as coisas mais fofas que já vimos? Por serem a alegria da casa? Por serem tão pacatos ou por serem tão elétricos? Por serem tão manhosos? Por serem companheiros, carinhosos e interessados? Por serem tão limpinhos e cheirosos? Por serem tão curiosos? Por fazerem arte no sofá e nas cortinas? Por gemer na hora da soneca, quando se espreguiçam despretensiosamente? Por fazerem de uma bolinha de plástico o maior brinquedo do mundo? Por tamparem sua “caquinha” tão eficazmente? Por serem ótimos aquecedores de pé? Por estarem sempre do lado de quem está triste e sofre? Por serem tão rápidos quando precisam se esconder de algo que lhes causa medo? Por nos encostar seu nariz gelado todas as manhãs? Por terem um miado para cada necessidade e sentimento? Pelo fato de seus passos serem verdadeiros passos de dança, formando uma coreografia linda quando correm e brincam? Por confiarem em nós quando os abraçamos tão fortemente? Por gostarem de dormir em lugares inusitados? Por saberem como nos chamar atenção quando precisam dela?

Enfim, por que nossos gatos são tão irresistíveis? Por que nos fazem rir a toa e chorar de saudades? Por que nos sentimos na obrigação de protegê-los de qualquer mal? Por que nos fazem esquecer o sofá rasgado, a cama bagunçada e as bolas de pêlo no exato momento em que olhamos para eles?
Será o ronron, ou será por que nos esperam na porta e se esfregam em nossas pernas assim que entramos em casa?

Não sabemos direito o porquê, só sabemos que os amamos incondicionalmente!


quarta-feira, 16 de maio de 2012

Portaria que define documentos secretos do governo é publicada


Objetivo é 'controlar o acesso e a divulgação de informações sigilosas'.
Nova Lei de Acesso à Informação entra em vigor nesta quarta (16).
Do G1, em São Paulo e em Brasília
Foi publicada no "Diário Oficial da União" desta quarta-feira (16) uma portaria que define tipos de documentos considerados secretos pelo governo. O objetivo, segundo o texto, "é controlar o acesso e a divulgação de informações sigilosas" com o advento da nova Lei de Acesso à Informação.
Entre os documentos considerados sigilosos estão relatórios de auditorias, termos de responsabilidade, documentos sobre o sistema de segurança e alarmes, plantas de imóveis, manuais de procedimento, planos de contingência ou de recuperação, registros telefônicos entre outros - veja lista completa no fim da reportagem.
A lei, que começa a valer nesta quarta, obriga órgãos públicos a prestarem informações sobre suas atividades a qualquer cidadão interessado. O projeto é de iniciativa do Executivo e vale para todo o serviço público do país.
A portaria publicada no Diário Oficial, no entanto, exclui alguns documentos, dado "seu teor e em razão de sua imprescindibilidade à segurança da sociedade ou do Estado" (veja lista no final da reportagem). Ela é assinada por Renato da Silveira Martini, diretor-presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, autarquia vinculada à Casa Civil da Presidência.
Confira abaixo perguntas e respostas sobre a nova lei, de acordo com o texto da legislação e informações da Controladoria-Geral da União (CGU):
O que é a Lei de Acesso à Informação?
A  lei 12527/2011, a chamada
 Lei de Acesso à Informação, obriga órgãos públicos federais, estaduais e municipais (ministérios, estatais, governos estaduais, prefeituras, empresas públicas, autarquias etc.)  a oferecer informações relacionadas às suas atividades a qualquer pessoa que solicitar os dados.
Como a lei será implantanda, na prática?
A lei determina que os órgãos públicos criem centros de atendimento dentro de cada órgão chamados de SICs (Serviços de Informação ao Cidadão). Esses centros precisarão ter estrutura para atender e orientar o público quanto ao acesso a informações de interesse coletivo como, por exemplo, tramitação de documentos, processos de licitações e gastos públicos.
O que a lei exige dos órgãos públicos na internet?
A Lei de Acesso à Informação estabelece também que as entidades públicas divulguem na internet, em linguagem clara e de fácil acesso, dados sobre a administração pública. Devem constar, no mínimo, registro das competências e estrutura organizacional, endereços e telefones das respectivas unidades e horários de atendimento ao público. Também devem ser publicados registros de quaisquer repasses ou transferências de recursos financeiros e informações sobre licitações, inclusive os editais e resultados. A lei exige ainda que fiquem expostos na internet dados gerais para o acompanhamento de programas, ações, projetos e obras do governo, além de respostas a perguntas mais frequentes da sociedade. As informações devem ser mantidas sempre atualizadas. Apenas os municípios com menos de 10 mil habitantes estão desobrigados a apresentar em um site na internet os dados sobre as operações municipais. No entanto, os órgãos desses pequenos municípios são obrigados a prestar informações sempre que solicitadas.
Quem poderá solicitar informações?
Qualquer pessoa pode pedir dados a respeito de qualquer órgão da administração pública.
É preciso dar razões para o pedido?
Não é preciso apresentar nenhum tipo de justificativa para a solicitação de informações.

Quais informações poderão ser solicitadas?
Não há limites para as informações a serem solicitadas. Podem ser requisitadas quaisquer informaçôes a respeito de dados relativos aos órgãos públicos. Será possível, por exemplo, perguntar quanto um ministério ou secretaria gastou com salários de servidores, com obras públicas, andamento de processos de licitação, detalhes sobre auditorias, fiscalizações e outras.
E se o órgão público não atender ao pedido?
Se o órgão não puder prestar as informações, terá de apresentar uma justificativa. Se o cidadão não aceitar a justifificativa, pode entrar com recurso no próprio órgão. Se ainda não conseguir, pode apresentar outro recurso à Comissão Mista de Reavalização de Informações, instituída pela lei. A comissão vai avaliar o sigilo de dados públicos e as justificativas apresentadas pelo órgão público para não prestar as informações solicitadas. Se entender que a informação pode ser divulgada, a comissão acionará o órgão para que atenda ao pedido do cidadão.
Há informações que não podem ser fornecidas?
Não serão prestadas aos cidadãos informações consideradas sigilosas, tais como assuntos secretos do Estado, temas que possam colocar em risco a segurança nacional ou que comprometam atividades de investigação policial. Dados de casos que corram em segredo de justiça também não serão divulgados, assim como informações pessoais dos agentes públicos ou privados. Nesses casos, o órgão é obrigado a justificar o motivo para não fornecer o dado.
Por quais meios as informações poderão ser solicitadas?
As informações poderão ser solicitadas nos Serviços de Informações ao Cidadão (SICs), que serão instalados em cada órgão público. A lei também determina que seja concedida ao cidadão a opção de solicitar os dados pela internet. Outros meios, como carta e telefone, vão depender dos sistemas adotados por cada órgão.
As informações vão ser prestadas sempre por meio de documentos impressos?
Depende de como o órgão tiver armazenado os dados. Nos casos de arquivos digitais, o cidadão poderá obter as informações em um CD ou outra mídia digital. Se houver necessidade de impressão de um volume elevado de papéis, o cidadão pagará o custo.
Como tramita, dentro do órgão público, o pedido de informação?
Se o órgão tiver a informação ao alcance imediato, o pedido poderá ser atendido no momento em que for feito pelo cidadão, nos SICs. Se houver necessidade de pesquisa, o órgão tem 20 dias, prorrogáveis por mais 10, para atender à demanda. O cidadão será avisado por telefone ou pela internet. Depois desse prazo, o agente público tem que justificar o motivo da não prestação das informações.
Qual será a punição para servidores que não atenderem aos pedidos?
Servidores públicos que não prestarem as informações solicitadas e não apresentarem justificativa legal poderão sofrer sanções administrativas e até ser processados por improbidade.
ONGs (Organizações Não-Governamentais) também estão sujeitas à lei?
As entidades privadas sem fins lucrativos que recebam recursos públicos para a realização de ações de interesse público e que tenham parceria ou convênios com o governo devem divulgar informações sobre o dinheiro recebido e sua destinação.
Veja os documentos considerados sigilosos pelo Estado:
Papéis de Trabalho/Auditoria; Relatórios/Auditoria; Conceitos de Risco/ Auditoria; Pareceres/Auditoria; Relação das pessoas que serão detentores partições de recursos criptográficos da AC, com respectivos termos de designação para a função; Relação das necessidades de acesso físico e lógico para cada cargo; Relação de pessoas que possuem acesso às chaves ou componentes de chaves criptográficas da AC com sua respectiva designação formal e atribuição de responsabilidades; Relação do pessoal contratado para a AC/cargo desempenhado e a respectiva documentação; Termos de Designação de Gestor ou Responsável pelos Ativos da AC (ativos de informação e de processamento); Termos de Responsabilidade sobre a segurança física da AC; Termos de responsabilidade contendo descrição dos recursos que os funcionários e detentores de chaves ou componentes de chaves criptográficas deverão devolver à AC no ato de seu desligamento; Inventário dos ativos de processamento da AC e da AR contendo nº do patrimônio, localização física, atividade a ser desenvolvida e agente responsável pela utilização; Inventário de cartões/chaves de acesso às dependências e recursos da AC (em uso ou no cofre); Relação das pessoas autorizadas a ter acesso aos componentes da Infraestrutura da AC (painéis de controle de energia, comunicações, cabeamento etc.); Documentação dos sistemas e dispositivos redundantes que estão disponíveis para garantir a continuidade da operação dos serviços críticos (elétrico, geradores, nobreak, ar condicionado etc.); Documentação dos sistemas que provêm segurança física (alarmes, monitoramento por câmaras de vídeo, proteção contra incêndio e detecção de fumaça, sistemas de controle de acesso físico); Documentação dos Equipamentos de Emergência; Planta baixa da área construída; Topologia das redes de cabos lógicos e elétricos; Documentação técnica da construção de segurança de nível 1, 2, 3, 4, 5 e 6; Relação dos procedimentos e ferramentas usados para controle do envio de equipamentos para manutenção e para controle de entrada e saída de indivíduos em ambiente de nível 3 e 4; Relação dos usuários cadastrados para acesso ao sistema operacional (/etc/passwd); Relação dos recursos da AC que possuem controle de acesso lógico e relação dos procedimentos e ferramentas usados para esse controle; Relação dos funcionários que possuem acesso lógico aos recursos da AC relacionados no item anterior; Relação dos procedimentos e ferramentas que serão usados para detectar e responder a violações de segurança; Sistemas e arquivos da AC sujeitos a backup; Relação dos procedimentos e ferramentas usados para realização de backup dos sistemas e arquivos relacionados no item anterior, e dos controles estabelecidos para guarda das mídias geradas; Relação dos sistemas da AC do qual serão extraídos logs, respectiva periodicidade de extração e forma de guarda dos arquivos gerados; Planilha relacionando os eventos de guarda obrigatórios, definidos no item 4.5.1 da DPC, e os arquivos de log citados no item anterior; Formato dos arquivos de log e descrição dos campos relevantes; Procedimentos previstos para análise dos logs (relatórios ou planilhas elaborados pelo responsável pela atividade) e das ações tomadas em decorrência, no caso de constatação de irregularidades; Relação dos softwares autorizados a estarem instalados nos servidores, estações de trabalho, notebooks e demais equipamentos da AC, com a respectiva versão; Documentação evidenciando que a versão dos softwares utilizados está de acordo com a recomendações dos fabricante; Procedimentos previstos para realização de auditorias internas nos equipamentos e/ou outras providências adotadas para evitar a utilização de softwares não autorizados nos equipamentos da AC relacionados no Inventário de Ativos; Procedimentos previstos para registrar as mudanças de configuração nos sistemas (aplicação de patches, instalação de novas versões, alteração de parâmetros do sistema, etc.); Relação dos arquivos/diretórios dos servidores da AC cuja integridade seja verificada periodicamente; Relação dos procedimentos e ferramentas que serão usados para verificação periódica de
integridade dos arquivos/diretórios relacionados no item anterior; Diagrama topológico atualizado da rede interna e das ligações com redes externas, evidenciando também, caso existam, pontos de conexão para acesso remoto; Relação dos equipamentos, procedimentos e ferramentas usados para prover segurança à rede da AC; Política de segurança aplicada nos equipamentos e ferramentas listados no item anterior (política de senhas, login local/remoto e outros parâmetros de segurança); Relação dos procedimentos e ferramentas que serão usados para publicação da LCR da AC na periodicidade adequada; Análise de Risco com documentação que comprove a participação/conhecimento da alta administração; Plano de Continuidade de Negócios; Plano de Extinção; Procedimentos e scripts de instalação usados para criação da AC; Relação dos procedimentos e ferramentas que serão utilizados para geração, guarda, manuseio e destruição da chave da AC; Manuais contendo procedimentos executados na AC; Documentação técnica dos seguintes sistemas e equipamentos; Documentos gerados pela entidade auditada em tempo de auditoria; Transações (Logs); Sistema (Logs); Segurança (Logs); Imagens de Vídeo (CFTV); Registros de Entrada e Saída de Controle de Acesso; Registro de Alarmes e Eventos Diversas; Registros Telefônicos; Análise de Risco; Avaliação de Risco; Manual de Segurança Patrimonial; Manual de Administração da Autoridade Certificadora; Manual de Administração da Segurança; Manual de Administração do Sistema de Gestão de Certificados (SGC); Manual de Administração de Banco de Dados; Plano de Continuidade de Negócios; Plano de Recuperação de Desastre; Plano de Contingência; Plano de Ação de Resposta a Incidente; Plano de Gerência de Configuração e Mudança; Termo de Admissão; Termo de Desligamento; Termos de Responsabilidade de detentores de CIK; Plano de Treinamento; Manual de Auditoria Interna; Scripts/roteiros de operação; Diagramas da Rede de Computadores; Diagramas da Rede elétrica; Configuração de Equipamento; Especificação Técnica de Hardware; Especificação Técnica de Sistema; Especificação Técnica da Infraestrutura; Configuração de Sistema Controle de Acesso; Chave Privada de Autoridade Certifica Raiz (AC-Raiz); Senha de Operação /Administração de Equipamentos (Hardware); Senha de Operação /Administração do Sistema e Gestão de Certificados (SCG); Senha de Operação /Administração de Sistemas (Software); Senha de Operação /Administração do Sistema de extinção de Incêndio; Senha de Operação /Administração do Sistema de Intrusão; Senha de Operação /Administração do Circuito Fechado de TV; Senha de Operação /Administração do Controle Acesso Físico; Habilitação Jurídica; Laudo de Conformidade; Relatório de Análise Quantitativa e Qualitativa; Ensaios de Conformidade; Código-Fonte de Sistemas; Listas de Tarefas dos Vigilantes -Recepção; Livro de Registro de Destruição de Mídias e Documentos; Livro de Registro de Manutenção de Hardware; Livro de Registro de Presença -CCD - ITI; Livro de Registro de Termos de Cartão de Acesso-CCD; Livro de Registro de Termos de Entrada de Material; Livro de Registro de Termos de Saída de Material; Manual de Administração do Banco de Dados; Manual de Uso das Estações de Trabalho; Manual dos Administradores - CCD; Manual dos Vigilantes - CCD; Planilha de Controle de Cartões de Acesso do CCD; Planilha de Controle de Cds-Bakcup CFTV-CCD; Planilha de Controle de Chaves Mecânicas; Listas de Tarefas dos Vigilantes -Recepção; Livro de Registro de Destruição de Mídias e Documentos; Livro de Registro de Manutenção de Hardware; Sistemas (Logs); Servidores (Logs); Imagens de Vídeo (CFTV); Registro de Incidentes de Segurança; Registros Telefônicos; Base de dados de ferramentas de monitoramento (redes, sistemas, servidores); Documentação da topologia/arquitetura da rede; Arquivos de configuração de Firewall; Arquivos de configuração de Servidores; Arquivos de configuração de Switches; Diagramas da Rede Dados; Diagrama de CFTV; Diagramas da Rede elétrica; Dados de Fitas de Backup; E-mails Institucionais( Serviço de Correio Eletrônico); Arquivos do serviço de armazenamento de dados corporativos (Sistema de Aquivos Dados-ITI); Senha de Operação /Administração de Equipamentos (Hardware); Senha de Operação /Administração de Sistemas e Servidores (Software);Senha de Operação /Administração do Circuito Fechado de TV.

Bandeira Nacional Brasileira


História do Dia da Bandeira Brasileira comemoração, 19 de novembro, criação da data, símbolo nacional

dia da bandeira brasileira

História do Dia da Bandeira

O Dia da Bandeira foi criado no ano de 1889, através do decreto lei número 4, em homenagem a este símbolo máximo da pátria. Como nossa bandeira foi instituíta quatro dias após a Proclamação da República, comemoramos em 19 de novembro o Dia da Bandeira. 
Nesta data ocorrem, no Brasil, diversos eventos e comemorações cívicas nas escolas, órgãos governamentais, clubes e outros locais públicos. É o momento de lembrarmos e homenagearmos o símbolo que representa nossa pátria. Estas comemorações ocorrem, geralmente, acompanhadas do Hino à Bandeira. Este lindo hino ressalta a beleza e explica o significado da bandeira nacional.
Curiosidades sobre a bandeira brasileira:

- Quando várias bandeiras são hasteadas em nosso país, a brasileira deve ser a primeira a chegar no topo do mastro e a última a descer.
- Quando uma bandeira brasileira fica velha, suja ou rasgada, deve ser imediatamente substituída por uma nova. A bandeira velha deve ser recolhida a uma unidade militar, que providenciará a queima da mesma no dia 19 de novembro.
- Caso a bandeira fique hasteada no período noturno, ela deve ser iluminada.



terça-feira, 15 de maio de 2012

Dicas para ser um bom gestor público



Esse artigo procura orientar os gestores públicos através de 6 dicas úteis para que eles possam realizar uma gestão pública eficiente, contemplando os interesses da sociedade que representam
1) Programar as ações de forma planejada estrategicamente Toda ação requer planejamento para que se alcance os resultados pretendidos. Cabe ao gestor e sua equipe adotar estratégias que mostrarão os caminhos para se alcançar as metas traçadas. Tanto na iniciativa privada como pública isso é imprescindível, pois geralmente os desejos da população de um local são maiores que a capacidade de atendimento. A Lei de Responsabilidade Fiscal, o Plano Plurianual (PPA), a Lei da Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA), tratam esse assunto de forma especial. 

2) O gestor Público deve investir em capacitação e buscar os profissionais mais bem preparados para as funções Uma Administração eficiente e eficaz necessita contar com os melhores profissionais para compor os diversos postos organizacionais. O gestor precisará de pessoas competentes para ajudá-lo no desenvolvimento de políticas públicas que visem a melhoria da sociedade. Olhar sob a lupa da competência, e não das negociatas políticas, deve ser regra para o gestor público.
 

3) Utilizar a informação como ferramenta de trabalho Todo Administrador se utiliza da tomada de decisão como atividade rotineira na sua jornada diária de trabalho. Para tal, ter as informações corretas para tomar as melhores decisões, torna-se fundamental.
 

4) Ser transparente Disponibilizar as informações relativas às receitas e despesas à população para que a sociedade possa controlar. A Lei da Responsabilidade Fiscal obriga o gestor público a ter essa tranparência na sua gestão. Assim, ser transparente significa competência e respeito com o cidadão.

5) Descentralizar ações A palavra descentralizar é muito utilizada na Administração (principalmente na gestão privada), porém na iniciativa pública muitos gestores tem receio de colocá-la em prática. Para muitos essa palavra significa perda de poder e controle, o que não é verdade. Não se trabalha ou se Administra sozinho, distribuir atividades e responsabilidades é muito relevante nas organizações. Desde que seja avaliada e acompanhada, a descentralização pode ser muito eficiente e eficaz na gestão pública
 

6) Considerar o Orçamento Público como instrumento que organize e facilite a vida do gestor Um orçamento consiste basicamente nas previsões de receitas e despesas planejadas para determinado exercício.

#################
Muito boa. Que seja útil para alguém!

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Bandeira do Rio Grande do Sul


SIGNIFICADO DAS CORES E HISTORIA DA BANDEIRA
História da bandeira
A bandeira do Rio Grande do Sul tem sua origem nos desenhos de rebeldes durante a Guerra dos Farrapos, em 1835, mas sem o brasão de armas até então. Sua autoria é controversa; alguns apontam Bernardo Pires, enquanto outros apontam José Mariano de Mattos. A bandeira foi oficializada como bandeira do estado em 5 de janeiro de 1966, já com o brasão de armas na parte central.

Significados das cores
Não há um consenso sobre o significado das cores da bandeira riograndense. Algumas fontes alegam que as cores simbolizam o auriverde do Brasil separado pelo vermelho da guerra. Há outras que afirmam ser a bandeira uma combinação do rubroverde da bandeira Portuguesa com o aurivermelho da bandeira espanhola, o que faria todo o sentido em uma região de fronteira entre essas duas potências coloniais; há que se salientar, todavia, que à época da Revolução Farroupilha, as cores nacionais de Portugal eram o alviceleste, símbolo da monarquia, e que só mudaria para o rubroverde mais de meio século depois.

A versão mais aceita é de que o verde e o amarelo representa o Brasil e a faixa vermelha representa o sangue, a república e a liberdade. Portanto, está no meio do verde e do amarelo para demonstrar a separação do Rio Grande do resto do País.

Liberdade, igualdade e humanidade
Sabe-se que o lema escrito na bandeira do estado, tanto quanto os símbolos, estão diretamente ligados à Maçonaria, haja vista que a elite gaúcha militar e política à época da Guerra dos Farrapos era, em sua maioria, maçônica.
BANDEIRA DO RIO GRANDE DO SUL

As cores Verde, Vermelho, Amarelo e Branco pertence a Bandeira do Rio Grande do Sul

Antiga bandeira farroupilha




sexta-feira, 11 de maio de 2012

Animais abandonados



Essa postagem diz tudo, tomei a liberdade de publicá-la na íntegra.


Protetoras em Nova Esperança do Sul

Hoje pela manhã, dei uma cruzadinha de olhos nuns blogs de Santiago e vi num deles, uma denúncia sobre  duas residências em Nova Esperança do Sul, onde estão criando muitos cães, e isso está  incomodando, a pessoa alega, no comentário enviado ao blog, perigo a saúde pública. Não sabia da existência de nenhuma protetora por lá, aqui em Porto Alegre é bem comum, tem muitas protetoras e muitos lares provisórios, de pessoas com um espírito iluminado e bom, capazes de ver o amor nos animais. Inclusive a prefeitura daqui criou o SEDA uma secretaria dedicada a cuidar das causas de abanono e maus tratos aos animais, maltratar animais é crime. A pouco encontrei um post da Eliete Mulazzani onde expõe o fato de que é uma protetora em Nova Esperança e recolhe animais em situação de risco pelo município, juntamente com sua amiga Bete, sendo elas as pessoas de quem o denunciante reclamava. Fiquei feliz em saber disso, o comentário da pessoa reclamando, é o menos importante, inoportuno, serviu apenas para dar visão a esse trabalho das gurias. Sempre parti em defesa dos animais e nunca fui muito compreendida, tive alguns desentendimentos por esse motivo, ao longo dos lugares onde morei. Sonho em ter um lar para animais abandonados, no momento não posso realizar, mas chegará a hora certa. Fiquei tão feliz em saber que há pessoas fazendo isso lá na minha cidade.
Não se incomodem, com comentários de pessoas incapazes de compreender a grandiosidade do que estão fazendo.

Abaixo trechos do post da Eliete em seu blog:

"Me chamo Eliete Mulazzani, sou advogada e Assessora Jurídica do Município de Nova Esperança do Sul. Hoje pela manhã recebi várias ligações me informando sobre a postagem em seu blog, no que se refere a duas casas que criam mais de 20 cachorros cada uma na cidade de Nova Esperança do Sul. Estou postando este comentário para falar que uma dessas casas é a minha e a outra de minha amiga e colega de trabalho, a enfermeira Bete, como é conhecida aqui na cidade.


Gostaria de explicar melhor sobre a criação de inúmeros cachorros, e dizer que não são apenas cães, criamos gatos e diversos outros animais que são maltratados ou abandonados nas ruas. Animais doentes, carentes, famintos, torturados, paralíticos, epiléticos, enfim, animais de todas as espécies e com os mais complicados problemas de saúde já vistos numa cidade tão pequena.

Todos na cidade de Nova Esperança do Sul me conhecem e sabem do trabalho social que faço em defesa dos animais no meu Município e também por onde quer que eu passe. Gostaria de dizer que realmente não é fácil criar tantos animais assim, os gastos com alimentação, estadia, médico veterinário, medicamentos, procedimentos cirúrgicos, transporte, empregados, enfim são altíssimos no fim do mês...e quem paga a conta? A pessoa que postou uma inverdade em seu blog? Não, eu pago a conta, eu, minha amiga Bete, minha mãe, meus outros amigos, enfim, não passamos forme como foi dito no comentário anterior mas nos privamos de muitas coisas para cuidar desses animais largados por pessoas irresponsáveis, desumanas, frias e sem coração que fazem atrocidades contra os animais. Sempre fui apaixonada por animais, mas desde 2005 comecei a fazer este trabalho social pago com dinheiro do meu bolso, o qual consigo através do suor do meu trabalho e de inúmeras noites laborando sem parar porque no fim do mês as contas aparecem para serem pagas. Não acredito que alguém que possa ser considerado como ser humano possa ter feito uma postagem desse nível em seu blog só por motivos de vingança, o qual passo a expor. Semanalmente, recebo denúncias anônimas de maus tratos a animais, então procuro a vigilância sanitária e a Brigada Militar para que me acompanhem até o denunciado. Noventa e oito por centos das denúncias feitas são verdadeiras, então nós retiramos os animais maltratados e levamos para nossas casas, minha e de minha amiga Bete, alimentamos, levamos ao veterinário, atendemos à medicação prescrita e procuramos pessoas de bom coração para adotarem os bichinhos. Nem sempre todos são adotados, pois cachorros e gatos adultos e doentes não despertam o interesse de ninguém, então estes permanecem em nossas casas, onde recebem o tratamento devido. Nesta semana, recebemos várias denúncias referentes a duas pessoas do interior que criavam inúmeros cachorros e não os alimentavam. Ao chegar no local, fiquei desolada, pois em uma das casas os cães comiam milho da lavoura do vizinho, estavam magros, doentes e sem força. Ao constatar a situação caótica recolhemos 4 cachorros e levamos para casa. Hoje, passado 3 dias do ocorrido, percebemos uma melhora nos mesmo, pois estão se alimentando bem e já conseguem ter força para caminhar normalmente. Estão limpos, higienizados e recebendo o carinho que merecem. Diante das denúncias que recebemos esta semana, decidimos pedir ajuda ao Prefeito Municipal, solicitando a este que nos autorizasse a pegar os “restos” de comida da Escola de Educação Infantil e também do Colégio Municipal São José para que pudéssemos alimentar estes animais. O Prefeito, comovido com a situação e vendo o estado dos animais, nos concedeu a licença de diariamente recolhermos os restos de merenda e alimentarmos os bichinhos. Esse fato causou polêmica com uma família na cidade, pois esta família rica, há anos, recolhia a comida para alimentar seus porcos, os quais são vendidos no comércio. Eu considerei excelente a atitude do Prefeito, pois acredito que ele entenda ser mais justo alimentar cães abandonados do que porcos que são comercializados por um particular. Eu e minha amiga Bete fomos ameaçadas por esta família de que seríamos denunciadas para a imprensa e também ao Ministério Público, pois não era justo eles serem impedidos, depois de tantos anos, de levar para casa a comida que deveria ser para seus porcos e não para animais que não servem para nada, e que segundo eles, apenas encomodam. Quero frisar que meus vizinhos, que foram mencionados na postagem, nunca reclamaram pois entendem minha situação e são solidários comigo nesta causa. Portanto quero dizer que crio cachorros não por opção mas por necessidade, e farei isso até o último dia de minha vida, pois jamais serei omissa diante de tantas atrocidades. Maltratar e abandonar os animais é crime!!! Em breve nossa ONG estará devidamente legalizada e talvez estas pessoas que fizeram esta postagem inverídica abracem a causa e sejam voluntários ou doadores? Será? Neste mundo tudo é possível, tanto é verdade que tem gente achando mais justo alimentar os porcos de fazendeiros ricos do que animais abandonados em situação deplorável.

Para todos que quiserem abraçar esta causa coloco-me à disposição para quaisquer esclarecimentos, inclusive convido a todos os interessados para visitarem minha residência e ver as condições de higiene do local. Se alguém quiser entrar em contato meu e-mail é elietemulazzani@hotmail.com ou acessem meu blog elietemulazzani.blogspot.com e deixe seu comentário."



Parabéns gurias!!!!!!!!

domingo, 6 de maio de 2012

ASSÉDIO MORAL


Por Eber Freitas

Vítima deve guardar todos os registros que comprovem o assédio – tais como e-mails, mensagens de celular e até gravações telefônicas e ao vivo (sob certas restrições); empresa deve dispor de canais de denúncia anônima para que o abuso seja relatado sem o risco de comprometimento da carreira Quem trabalha em órgãos públicos sabe o que representa uma troca de governos. Todos os cargos em comissão, concedidos a pessoas por indicação política, mudam – na prática é uma roleta-russa para os funcionários efetivos, que podem ganhar bons chefes, mas também podem ter a carreira destruída pelos superiores. Foi o que aconteceu com a servidora pública Maria*: após 20 anos trabalhando no departamento jurídico de um órgão estadual, ela passou a ser vítima de assédio moral, teve a saúde física e emocional abalada e foi obrigada a mudar de departamento antes que a situação se agravasse. Na ausência de meios para comprovar e combater os abusos, e com a suposta conivência dos demais superiores, essa foi a única saída viável.

"Primeiro ele já chegou ao setor dizendo que tomaria conta do departamento e que todas as decisões partiriam dele. A primeira vez que dei uma informação necessária ao andamento do processo, fui duramente repreendida. Na prática eu não podia mais fazer o trabalho que fiz durante todo esse tempo, minha função a partir de então foi atender telefonemas", relata.

Características

O assédio moral gera uma cadeia de eventos que tende a se justificar e ser tida como normal, ou seja: ele gera medo e, por fim, gera conivência por parte das próprias vítimas que, aos poucos, vai sendo esmagada emocionalmente. "O assédio moral é uma forma de violência psicológica reiterada: um veneno que sutilmente intoxica a vítima, até fazê-la pedir demissão por se achar absolutamente incompetente para continuar o desenvolvimento do seu trabalho", explica a advogada trabalhista Tamira Maira Fioravante. Eis a principal característica do abuso: humilhação (sob várias formas, sutis ou não) praticada repetidamente contra o funcionário. A partir desse limite, o que seria apenas uma exigência ríspida ou uma brincadeira, vira um crime que pode ser punido com até dois anos de prisão e multa (conforme o artigo 136-A do novo Código Penal Brasileiro).

É necessário compreender que muitas vezes essa conduta pode se dar de maneira pouco perceptível para outras pessoas além da própria vítima. Sônia Mascaro, doutora em Direito do Trabalho, destaca como formas de assédio moral "estipular metas e prazos impossíveis de serem cumpridos pelo empregado, tomar crédito de idéias de outros, ignorar ou excluir um empregado, sonegar informações e trabalho do empregado, espalhar rumores e fofocas, ridicularizar o empregado, criticar com persistência e subestimar os esforços da pessoa".


VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA O assédio moral gera uma cadeia de eventos que tende a se justificar e ser tida como normal, ou seja: ele gera medo e, por fim, gera conivência por parte das próprias vítimas que, aos poucos, vão sendo esmagadas emocionalmente. (Imagem: Thinkstock)

Para Mascaro, no âmbito da empresa, o ideal seria que o trabalhador que sofreu assédio reportasse de maneira sigilosa o ocorrido para o RH ou os superiores do assediador, "evitando um tom denuncista, mas apenas relatando as condutas que fazem com que ele se sinta ofendido ou rebaixado, aguardando que a empresa tome as devidas providências para que isso seja solucionado". Lembrando que existem casos, ainda que raros, em que o assédio parte do subordinado contra o superior.

Justiça neles

Mas como enquadrar o agressor sem saber sequer como provar a sua conduta, se muitas vezes a reação da vítima não é outra senão silenciar? "É importante saber que a Justiça é a última instância a ser procurada. Nesses casos, o colaborador deve acionar o departamento de Recursos Humanos da empresa", afirma o consultor e sócio da Alliance Coaching, Sílvio Celestino.

Por outro lado, Fioravante lembra que a empresa deve dispor de canais de comunicação onde o colaborador possa denunciar os abusos de forma anônima, para que a investigação proceda de forma sigilosa. "Um trabalhador jamais deve ter a sua carreira prejudicada por tentar proteger a sua saúde emocional e psicológica", explica a advogada.

Segundo Mascaro, "a prova do assédio moral é normalmente testemunhal, mas pode também ser feita por meio da apresentação de documentos – como e-mails – ou gravações que comprovem o comportamento do assediador". Já Celestino admite que não é tão fácil obter provas irrefutáveis dos maus tratos, mas é possível. "Você sempre pode gravar uma conversa da qual você faz parte, não é ilegal", lembra. Apesar de existir uma jurisprudência que considera a gravação – por celular ou ao vivo – como prova legítima, alguns tribunais podem contestar essa versão. E mesmo quando for feita, a gravação deve ser executada por um dos interlocutores, caso contrário constitui crime e não será aceita como prova. Em outras palavras, é bom consultar um advogado antes de fazer uma escuta.

Já Ricardo Pereira, mestre em Direito do Trabalho, dá outra alternativa para quem não pretende se arriscar muito para conseguir provas. Para ele, "o auxílio de um psicólogo especializado em problemas relacionados ao trabalho auxilia tanto na comprovação do assédio como na superação do problema".

O assédio moral é um probema sério que atinge insidiosamente a vítima, produzindo tanto danos psicológicos quanto patologias físicas, como tremores, náuseas e enxaquecas. Por outro lado, a empresa é prejudicada à medida em que a qualidade e a produtividade do colaborador despencam e ações judiciais se multiplicam. "As empresas devem fazer um trabalho preventivo de gestão para que não ocorra a proliferação de casos de assédio e provoque, consequentemente, um grande passivo trabalhista no Poder Judiciário", conclui Pereira.

A servidora Maria, citada no começo da matéria, conseguiu se afastar das suas funções e do departamento onde trabalhava e se encaixar em um novo. Mas não é a mesma coisa: "o trabalho que eu realmente sabia fazer era aquele. Acho que ele conseguiu o que queria, o meu afastamento", lamenta.

*Nome trocado por solicitação da fonte


quinta-feira, 3 de maio de 2012

CUIDADO COM OS BURROS MOTIVADOS!!


A revista Isto é publicou esta entrevista de Camilo Vannuchi.
O entrevistado é Roberto Shinyashiki, médico psiquiatra, com Pós-Graduação em administração de empresas pela USP, consultor organizacional e conferencista de renome nacional e internacional.
"Cuidado com os burros motivados"
Em "Heróis de Verdade", o escritor combate a supervalorização das Aparências, diz que falta ao Brasil competência, e não auto-estima.
ISTOÉ -- Quem são os heróis de verdade?
Roberto Shinyashiki -- Nossa sociedade ensina que, para ser uma pessoa de sucesso, você precisa ser diretor de uma multinacional, ter carro importado, viajar de primeira classe..
O mundo define que poucas pessoas deram certo. Isso é uma loucura..
Para cada diretor de empresa, há milhares de funcionários que não chegaram a ser gerentes.
E essas pessoas são tratadas como uma multidão de fracassados.
Quando olha para a própria vida, a maioria se convence de que não valeu a pena porque não conseguiu ter o carro nem a casa maravilhosa.
Para mim, é importante que o filho da moça que trabalha na minha casa possa se orgulhar da mãe. O mundo precisa de pessoas mais simples e transparentes.
Heróis de verdade são aqueles que trabalham para realizar seus projetos de vida, e não para impressionar os outros.
São pessoas que sabem pedir desculpas e admitir que erraram.
ISTOÉ -- O sr. citaria exemplos?
Shinyashiki -- Quando eu nasci, minha mãe era empregada doméstica e meu pai, órfão aos sete anos, empregado em uma farmácia . Morávamos em um bairro miserável em São Vicente (SP) chamado Vila Margarida. Eles são meus heróis.
Conseguiram criar seus quatro filhos, que hoje estão bem.
Acho lindo quando o Cafu põe uma camisa em que está escrito "100% Jardim Irene".
É pena que a maior parte das pessoas esconda suas raízes.
O resultado é um mundo vítima da depressão, doença que acomete hoje 10% da população americana.
Em países como Japão, Suécia e Noruega, há mais suicídio do que homicídio. Por que tanta gente se mata?
Parte da culpa está na depressão das aparências, que acomete a mulher que, embora não ame mais o marido, mantém o casamento, ou o homem que passa décadas em um emprego que não o faz se sentir realizado, mas o faz se sentir seguro.
ISTOÉ -- Qual o resultado disso?
Shinyashiki -- Paranóia e depressão cada vez mais precoces.
O pai quer preparar o filho para o futuro e mete o menino em aulas de inglês, informática e mandarim.
Aos nove ou dez anos a depressão aparece.
A única coisa que prepara uma criança para o futuro é ela poder ser criança.
Com a desculpa de prepará-los para o futuro, os malucos dos pais estão roubando a infância dos filhos.
Essas crianças serão adultos inseguros e terão discursos hipócritas.
Aliás, a hipocrisia já predomina no mundo corporativo.
ISTOÉ - Por quê?
Shinyashiki -- O mundo corporativo virou um mundo de faz-de-conta, a começar pelo processo de recrutamento.
É contratado o sujeito com mais marketing pessoal.
As corporações valorizam mais a auto-estima do que a competência.
Sou presidente da Editora Gente e entrevistei uma moça que respondia todas as minhas perguntas com uma ou duas palavras.
Disse que ela não parecia demonstrar interesse. Ela me respondeu estar muito interessada, mas, como falava pouco, pediu que eu pesasse o desempenho
dela, e não a conversa.
Até porque ela era candidata a um emprego na contabilidade, e não de relações públicas. Contratei-a na hora.
Num processo clássico de seleção, ela não passaria da primeira etapa.
ISTOÉ -- Há um script estabelecido?
Shinyashiki -- Sim. Quer ver uma pergunta estúpida feita por um Presidente de multinacional no programa O aprendiz ?
"Qual é seu defeito?"
Todos respondem que o defeito é não pensar na vida pessoal:
"Eu mergulho de cabeça na empresa.
Preciso aprender a relaxar".
É exatamente o que o Chefe quer escutar.
Por que você acha que nunca alguém respondeu ser desorganizado ou esquecido?
É contratado quem é bom em conversar, em fingir. Da mesma forma, na maioria das vezes, são promovidos aqueles que fazem o jogo do poder.
O vice-presidente de uma das maiores empresas do planeta me disse:
"Sabe, Roberto, ninguém chega à vice-presidência sem mentir".
Isso significa que quem fala a verdade não chega a diretor?
ISTOÉ -- Temos um modelo de gestão que premia pessoas mal preparadas?
Shinyashiki -- Ele cria pessoas arrogantes, que não têm a humildade de se preparar, que não têm capacidade de ler um livro até o fim e não se preocupam com o conhecimento.
Muitas equipes precisam de motivação, mas o maior problema no Brasil é competência.
Cuidado com os burros motivados.
Há muita gente motivada fazendo besteira.
Não adianta você assumir uma função para a qual não está preparado.
Fui cirurgião e me orgulho de nunca um paciente ter morrido na minha mão.
Mas tenho a humildade de reconhecer que isso nunca aconteceu graças a meus chefes, que foram sábios em não me dar um caso para o qual eu não estava
preparado.
Hoje, o garoto sai da faculdade achando que sabe fazer uma neurocirurgia.
O Brasil se tornou incompetente e não acordou para isso.
ISTOÉ -- Está sobrando auto-estima?
Shinyashiki -- Falta às pessoas a verdadeira auto-estima.
Se eu preciso que os outros digam que sou o melhor, minha auto-estima está baixa.
Antes, o ter conseguia substituir o ser.
O cara mal-educado dava uma gorjeta alta para conquistar o respeito do garçom.
Hoje, como as pessoas não conseguem nem ser nem ter, o objetivo de vida se tornou parecer.
As pessoas parecem que sabem, parece que fazem, parece que acreditam.
E poucos são humildes para confessar que não sabem.
Há muitas mulheres solitárias no Brasil que preferem dizer que é melhor assim.
Embora a auto-estima esteja baixa, fazem pose de que está tudo bem.
ISTOÉ -- Por que nos deixamos levar por essa necessidade de sermos perfeitos em tudo e de valorizar a aparência?
Shinyashiki -- Isso vem do vazio que sentimos. A gente continua valorizando os heróis.
Quem vai salvar o Brasil? O Lula.
Quem vai salvar o time? O técnico.
Quem vai salvar meu casamento? O terapeuta.
O problema é que eles não vão salvar nada! Tive um professor de filosofia que dizia:
"Quando você quiser entender a essência do ser humano, imagine a rainha Elizabeth com uma crise de diarréia durante um jantar no Palácio de Buckingham".
Pode parecer incrível, mas a rainha Elizabeth também tem diarréia.
Ela certamente já teve dor de dente, já chorou de tristeza, já fez coisas que não deram certo.
A gente tem de parar de procurar super-heróis. Porque se o super-herói não segura a onda, todo mundo o considera um fracassado.
ISTOÉ -- O conceito muda quando a expectativa não se comprova?
Shinyashiki -- Exatamente.
A gente não é super-herói nem superfracassado. A gente acerta, erra, tem dias de alegria e dias de tristeza. Não há nada de errado nisso.
Hoje, muitas pessoas estão questionando o Lula em parte porque acreditavam que ele fosse mudar suas vidas e se decepcionaram.
A crise será positiva se elas entenderem que a responsabilidade pela própria vida é delas.
ISTOÉ -- Muitas pessoas acham que é fácil para o Roberto Shinyashiki dizer essas coisas, já que ele é bem-sucedido. O senhor tem defeitos?
Shinyashiki -- Tenho minhas angústias e inseguranças.
Mas aceitá-las faz minha vida fluir facilmente.
Há várias coisas que eu queria e não consegui.
Jogar na Seleção Brasileira, tocar nos Beatles (risos).
Meu filho mais velho nasceu com uma doença cerebral e hoje tem 25 anos.
Com uma criança especial, eu aprendi que ou eu a amo do jeito que ela é ou vou massacrá-la o resto da vida para ser o filho que eu gostaria que fosse.
Quando olho para trás, vejo que 60% das coisas que fiz deram certo.
O resto foram apostas e erros.
Dia desses apostei na edição de um livro que não deu certo.
Um amigão me perguntou:
"Quem decidiu publicar esse livro?"
Eu respondi que tinha sido eu. O erro foi meu.
Não preciso mentir.
ISTOÉ - Como as pessoas podem se livrar dessa tirania da aparência?
Shinyashiki -- O primeiro passo é pensar nas coisas que fazem as pessoas cederem a essa tirania e tentar evitá-las.
São três fraquezas.
A primeira é precisar de aplauso, a segunda é precisar se sentir amado(a) e a terceira é buscar segurança.
Os Beatles foram recusados por gravadoras e nem por isso desistiram.
Hoje, o erro das escolas de música é definir o estilo do aluno.
Elas ensinam a tocar como o Steve Vai, o B. B. King ou o Keith Richards.
Os MBAs têm o mesmo problema: ensinam os alunos a serem covers do Bill Gates..
O que as escolas deveriam fazer é ajudar o aluno a desenvolver suas próprias potencialidades.
ISTOÉ -- Muitas pessoas têm buscado sonhos que não são seus?
Shinyashiki -- A sociedade quer definir o que é certo.
São quatro loucuras da sociedade.
A primeira é instituir que todos têm de ter sucesso, como se ele não tivesse significados individuais.
A segunda loucura é: Você tem de estar feliz todos os dias.
A terceira é: Você tem que comprar tudo o que puder.
O resultado é esse consumismo absurdo.
Por fim, a quarta loucura:
Você tem de fazer as coisas do jeito certo.
Jeito certo não existe!
Não há um caminho único para se fazer as coisas. As metas são interessantes para o sucesso, mas não para a felicidade.
Felicidade não é uma meta, mas um estado de espírito..
Tem gente que diz que não será feliz enquanto não casar, enquanto outros se dizem infelizes justamente por causa do casamento.
Você pode ser feliz tomando sorvete, ficando em casa com a família ou com amigos verdadeiros, levando os filhos para brincar ou indo a praia ou ao cinema.
Quando era recém-formado em São Paulo, trabalhei em um hospital de pacientes terminais. Todos os dias morriam nove ou dez pacientes.
Eu sempre procurei conversar com eles na hora da morte.
A maior parte pega o médico pela camisa e diz:
"Doutor, não me deixe morrer.
Eu me sacrifiquei a vida inteira, agora eu quero aproveitá-la e ser feliz".
Eu sentia uma dor enorme por não poder fazer nada.
Ali eu aprendi que a felicidade é feita de coisas pequenas.
Ninguém na hora da morte diz se arrepender por não ter aplicado o dinheiro em imóveis ou ações, mas sim de ter esperado muito tempo ou perdido várias oportunidades para aproveitar a vida.